Meningite avança no Brasil e acende alerta

17/10/2022

Rede pública e privada reforçam campanhas de vacinação. Grupo Alliar registrou aumento na procura por imunizantes

De acordo com o Ministério da Saúde, desde 2016 o número de pessoas vacinadas no Brasil vem diminuindo. A baixa adesão às campanhas de imunização já mostra seus efeitos, fazendo ressurgir doenças como a meningite. O número de contágios avança nos estados da Bahia,  Minas Gerais, Espírito Santo,  Rio de Janeiro e São Paulo. Por isso, as redes pública e privada têm ampliado a oferta de vacinas. Somente no CDB, marca do Grupo Alliar em São Paulo, a procura pela vacina meningocócica B e ACWY triplicou no mês de outubro.

A meningite é uma inflamação aguda das membranas que revestem o cérebro, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso central. A enfermidade é causada por vírus ou bactérias, sendo as bacterianas as mais perigosas, entre elas, a meningocócica, a mais grave. A doença é transmitida por vias respiratórias, gotículas e secreções nasais. O período de incubação está entre dois e 10 dias, tendo evolução rápida, podendo levar à morte em 24 horas.

“Em sua forma mais agressiva, a meningite chega a causar sequelas graves, como quadros infecciosos, a exemplo da encefalite, inflamação do cérebro, levando a paralisia muscular, epilepsia e dificuldades na fala e na audição”, ressalta Dr. Gustavo Campana, diretor médico de análises clínicas do Grupo Alliar, um dos maiores players de medicina diagnóstica do país.

Somente na rede particular é possível receber a vacina meningocócica B, que é indicada para um grupo bem amplo, desde bebês até adultos de 50 anos. Pessoas imunodeprimidas devem se vacinar de acordo com orientação e acompanhamento médico.

A vacina ACWY contra meningite – que tem uma cobertura vacinal maior e previne o indivíduo da ação de 4 sorogrupos do meningococo – apesar de estar disponível na rede pública para crianças, é aplicada apenas a partir dos 11 anos de idade nos postos do SUS. Já nas clínicas particulares, a ACWY é administrada a partir dos dois meses de vida. Vale ressaltar que a enfermidade atinge todas as faixas etárias e imunossuprimidos devem ter um cuidado especial quanto à prevenção da doença.

Dr. Campana reforça a importância da atenção ao esquema de vacinação contra a meningite de acordo com cada fabricante do imunizante, idade do paciente e recomendação médica.

Outras notícias relacionadas